Como proceder quando os meus equipamentos apresentam valores acima da tolerância definida?

É necessário avaliar:

  • O impacto que isso pode ter tido no processo;
  • O que levou à degradação do equipamento – mau uso, frequência de utilização, se é um equipamento suscetível a degradações etc.;
  • Se a tolerância definida é a mais adequada para aquele tipo de equipamento – muitas vezes definem-se tolerâncias muito apertadas para as especificações do próprio equipamento;
  • Se se pode aplicar um fator de correção ao mesmo;
  • Necessidade de trocar o equipamento em causa.

Com que frequência devemos calibrar os equipamentos?

A frequência da calibração dos equipamentos depende de vários fatores:

  • Se este é ou não suscetível de alterar as suas características ao longo do tempo;
  • Se este é um equipamento cujo comportamento não é conhecido, o período de calibração deverá ser mais curto;
  • Se este apresenta ou não uma boa reprodutibilidade no histórico de calibrações anteriores;
  • Se são regidos ou não por alguma norma ou procedimento que especifique a frequência da calibração.

Quais os cuidados a ter com os equipamentos desportivos?

A entidade responsável pelos equipamentos deve assegurar a sua manutenção regular e periódica, de forma a serem observadas, permanentemente, as condições de segurança dos mesmos.

Caso os equipamentos apresentem deteriorações suscetíveis de pôr em risco a segurança dos utentes, a entidade responsável deverá diligenciar a sua reparação imediata e, caso tal não seja viável, retirar os equipamentos.

Em que zonas do país fazemos inspeções?

De acordo com a Lei N.º 14/2015, de 16 de fevereiro, as EIIEL (Entidades Inspetoras de Instalações Elétricas) reconhecidas pela DGEG podem exercer a sua atividade em qualquer parte do continente, à exceção das regiões autónomas dos Açores e da Madeira.